Brasileiro se forma em Harvard e dedica diploma ao pai falecido: ‘Obrigado por abrir o caminho’

Por Br Hoje
29 de junho de 2022
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

O estudante mineiro Arthur Abrantes, de 25 anos, conquistou o diploma em Ciências da Computação na Universidade Harvard – uma das 10 melhores instituições de ensino do planeta.

Arthur estudou todos os anos do ensino básico em escolas públicas brasileiras antes de ser aprovado na prestigiada universidade e viajar para os Estados Unidos.

 “A escola onde eu estudava colocava 45 alunos em uma sala de aula sem ar-condicionado, com mesa quebrada. Muitos colegas não sabiam ler”, relembrou o estudante, nascido em Paracatu (MG). “Não passava pela minha cabeça que um dia eu faria faculdade”, contou.

Em um post compartilhado nas redes sociais, ele comemorou a conquista do diploma e o dedicou ao pai, que faleceu em 2018. “Isso é pra você pai, que não teve as mesmas oportunidades que eu, mas que abriu o caminho para mim. Obrigado, pai! Sinto sua falta.”

O cientista da computação recém-formado estava no segundo ano da graduação quando Wariston Abrantes faleceu após um acidente de carro fatal. “Ele era mecânico, começou a trabalhar muito cedo e só fez até a quarta série. Acho que ele teria ficado muito orgulhoso de mim”.

Sonho de cursar o ensino superior

Quando estava cursando o ensino médio, Arthur foi aprovado em um processo seletivo para entrar no Instituto Federal Triângulo Mineiro. “Minha rotina passou a ficar muito mais puxada. Acordava às 5h30 e voltava para casa às 17h30”, disse. “Foi quando comecei a ouvir falar de fazer faculdade. Pensei: ‘caraca, será que isso é para mim também?’”.

Não demorou muito para o estudante começar a nutrir o sonho de estudar fora do país. Nesse meio-tempo, começou a estudar inglês através de aplicativos de línguas, assistia filmes com o idioma original com legendas e ouvia podcasts estrangeiros.

“Recomendaram que eu agisse como se minha vida dependesse daquilo. Foi o que fiz. Pratiquei [conversação] todos os dias”, contou. Aos poucos, ele se tornou fluente.

Com o caminho bem traçado, Arthur optou por não se inscrever no Enem – ao invés disso, candidatou-se em 12 universidades americanas. “Foi um processo intenso. Escrevi de 2 a 3 redações para cada uma. Pratiquei muito a escrita, estudei gramática e fui entrevistado em inglês”, explicou.

Tamanho esforço gerou frutos! O mineiro foi aprovado em Harvard, Stanford e em outras 5 prestigiadas universidades dos EUA.

“Fiquei meio sem chão quando recebi o resultado. Contei para os meus pais e para mais ninguém, porque eu não acreditava. Foi um negócio de outro mundo.”

E o melhor de tudo: além de garantir a vaga, Arthur foi contemplado com uma bolsa de estudos integral, ou seja, todas as mensalidades, gastos com alimentação, moradia e passagens aéreas (ida e volta) foram bancados pela instituição.

Agora formado em Ciências da Computação, o mineiro deve começar a trabalhar como programador em uma startup norte-americana especializada em engenharia de software.

 

Sobre a possibilidade de voltar ao Brasil, ele pondera: “Daqui a uns anos, quero empreender para solucionar algum problema enfrentado pela sociedade. Seja no nosso país, seja aqui.”

Últimas notícias