Disputa de terras entre Piauí e Ceará pode afetar 245 mil pessoas

Por Br Hoje
13 de junho de 2022
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

Ceará e Piauí disputam uma região de 2,8 mil quilômetros quadrados (km²) na Serra da Ibiapaba. O litígio pode afetar as vidas de 245 mil moradores da região. O caso tramita no Supremo Tribunal Federal (STF) e está sob a relatoria da ministra Carmén Lúcia. O portal G1 CE mapeou os impactos do embate.

Segundo a reportagem, o Piauí reivindica a posse das terras, alegando que o Ceará teria invadido o terreno. Trata-se de uma disputa secular. A região abriga pontos de geração de energia limpa, parques ecológicos com potencial turístico, polos de agronegócio, escolas, unidades de Saúde, estradas e o aeroporto de São Benedito.

O embate começa a afastar investidores e ameaça criar novas barreiras comerciais na região. A área tem reservas de água e minerais. O Piauí nega interesse econômico na região, enquanto o governo do Ceará alega que atua para manter a integralidade do território.

Caso o pedido do Piauí seja acolhido pelo STF, 13 cidades cearenses perderão até 90% do território. A lista é composta por: Granja, Viçosa do Ceará, Tianguá, Ubajara, Ibiapina, São Benedito, Carnaubal, Guaraciaba do Norte, Croatá, Ipueiras, Poranga, Ipaporanga e Crateús. Neste caso, o Piauí ganharia 172 unidades de saúde, 290 escolas e 598 torres eólicas.

Já decisão favorável ao Piauí ampliaria o tamanho de oito cidades piauienses. Tratam-se de Luís Correia, Cocal, Cocal dos Alves, São João da Fronteira, Pedro II, Buriti dos Montes, Piracuruca e São Miguel do Tapuio. A Serra da Ibiapaba tem parques eólicos que somam 598 aerogeradores.

Fonte: Metrópoles