Mourão diz que entregará a Lula um país equilibrado e sem corrupção

Por Br Hoje
31 de dezembro de 2022
Foto Reprodução
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

O presidente da República em exercício, Hamilton Mourão (Republicanos), disse, em pronunciamento nas cadeias de rádio e televisão neste sábado (31), que vai entregar ao próximo chefe do Executivo, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), “um país equilibrado, livre de práticas sistemáticas de corrupção, em ascensão econômica e com as contas públicas equilibradas”.

Na gravação, Mourão destacou os feitos dos quatro anos de Jair Bolsonaro (PL) à frente da Presidência da República e disse esperar que o governo de Lula, que terá início neste domingo (1º), dê sequência aos projetos iniciados na atual gestão.

“O governo de hora, ao longo de quatro anos, fez entregas significativas na economia, no avanço da digitalização da gestão pública, na tecnologia da informação, na privatização de estatais e na liberalização da economia”, destacou Mourão. “Aos eleitos, cumpre o dever de dar continuidade aos projetos iniciados e direcionar seus esforços para que o país tenha assegurada uma democracia urgente e plural”, acrescentou.

Mourão afirmou que “a alternância do poder em uma democracia é saudável e deve ser preservada”. De todo modo, destacou que vai fiscalizar a atuação do próximo governo. “Aos que farão oposição ao governo que entra, cumprirá a missão de opor-se a desmandos, desvios de conduta e a toda e qualquer tentativa de abandono do perfil democrático e plural, duramente conquistado por todos os cidadãos”, disse.

O presidente da República em exercício reservou alguns minutos do pronunciamento para agradecer o apoio recebido pelo governo de Bolsonaro desde o fim das eleições. No entanto, ele pediu a todos que retornem à “normalidade da vida” a partir deste domingo.

“Tranquilizemo-nos. Retornemos à normalidade da vida. Aos nossos afazeres e ao concerto de nossos lares. Com fé e com a certeza de que os representantes eleitos farão dura oposição ao projeto progressista do governo de turno, sem, contudo, promover a oposição ao Brasil. Estaremos atentos.”

Em outro momento da gravação, Mourão fez críticas à forma como as Forças Armadas foram tratadas nos últimos meses. Segundo ele, “lideranças que deveriam tranquilizar e unir a nação em torno de um projeto de país deixaram que o silêncio ou o protagonismo inoportuno e deletério criasse um clima de caos e desagregação social”.

“De forma irresponsável, deixaram que as Forças Armadas de todos os brasileiros pagassem a conta. Para alguns por inação e para outros, por fomentar um pretenso golpe”, frisou o presidente em exercício.

Últimas notícias