Instagram será bloqueado na Rússia partir desta segunda – feira(14)

Por Br Hoje
14 de março de 2022
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

A decisão de bloquear o Instagram na Rússia deve ter impactos que vão além da disputa entre o governo russo e a companhia americana, já que o aplicativo é bastante popular no país. A rede social tem 80 milhões de usuários russos, segundo o diretor Adam Mosseri.

A Rússia anunciou que vai restringir o acesso ao Instagram na próxima segunda-feira (14) como resposta à mudança de política para discurso de ódio da Meta, controladora do Instagram e também das plataformas Facebook e WhatsApp.

Na última sexta-feira (11), a empresa americana mudou temporariamente suas regras para permitir que usuários das redes sociais em alguns países defendam atos de violência contra russos no contexto da guerra na Ucrânia.

Maior que o Facebook

De acordo com o comunicado do governo russo, a decisão de bloquear o app na segunda dá aos usuários 48 horas para transferirem suas fotos e vídeos para outras redes sociais e notificarem seus contatos e clientes.

Os russos usam muito mais o Instagram do que o Facebook, a rede social com mais usuários no mundo, segundo dados da consultoria eMarketer publicados pela agência France Presse.

O Facebook tinha 7,5 milhões naquele país em 2021, o equivalente a 7,3% dos internautas, contra 51 milhões no Instagram.

O Instagram não divulga dados de usuários por país, mas, na sexta, Mosseri postou que são 80 milhões na Rússia. “Essa decisão cortará 80 milhões na Rússia uns dos outros e do resto do mundo, já que cerca de 80% das pessoas na Rússia seguem uma conta do Instagram fora de seu país. Isto está errado”, afirmou.

Assim como no Brasil, o aplicativo é extremamente popular entre os russos, tendo se tornado também uma ferramenta de vendas online crucial para muitas pequenas e médias empresas, assim como para artistas e artesãos, que dependem de sua visibilidade nesta plataforma para sobreviver.

A Meta também deverá perder com o bloqueio. Considerando o tamanho da audiência que pode visualizar a publicidade no app, a Rússia é quinto maior mercado para o Instagram – atrás apenas de Estados Unidos, Índia, Brasil e Indonésia, respectivamente. Os dados são de um relatório da agência We Are Social, em parceria com a plataforma Hootsuite.

A restrição ao Instagram se seguirá à do Facebook, que, assim como o Twitter, tem seu acesso restrito no país desde o último dia 4. Por enquanto, ainda não há informações sobre restrições ao WhatsApp na Rússia.

Reação russa à Meta

O anúncio do bloqueio do Instagram foi feito pelo Roskomnadzor, órgão que controla mídia e telecomunicações na Rússia. A decisão é uma resposta à mudança de política sobre discurso de ódio da Meta, controladora do Facebook, do WhatsApp e do Instagram.

A companhia americana está temporariamente liberando algumas mensagens que defendem a morte do presidente da Rússia, Vladimir Putin, ou do presidente de Belarus, Alexander Lukashenko, em países que incluem Rússia, Ucrânia e Polônia, segundo uma série de e-mails internos enviados aos moderadores de conteúdo da empresa e vistos pela agência Reuters.

O governo Putin reclamou que “estão circulando mensagens na rede social Instagram incentivando e provocando atos violentos contra os russos” e que, por isso, restringiria a rede social.

A Procuradoria-Geral russa pediu ainda que a gigante da internet seja classificada como uma organização “extremista”.

Em comunicado divulgado na sexta, o vice-presidente de assuntos globais da Meta, Nick Clegg, justificou as mudança nas regras da empresa. “O fato é que, se aplicássemos nossa política padrão de conteúdo sem qualquer ajuste, nós estaríamos removendo conteúdo de cidadãos ucranianos comuns expressando sua resistência e fúria contra as forças invasoras”, apontou Clegg.

O vice-presidente da Meta ressaltou que a companhia não tem nada contra o povo russo e que a plataforma “não vai tolerar russofobia ou qualquer tipo de discriminação, abuso ou violência direcionada aos russos”.

Últimas notícias