Putin descarta acordo de paz: “Ucrânia não demonstra atitude séria”

Por Br Hoje
15 de março de 2022
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

Cercado de pressão por todos os lados, o presidente russo, Vladimir Putin, descartou qualquer acordo de cessar-fogo com a Ucrânia, país que ele ordenou ser invadido e bombardeado em 24 de fevereiro.

No início da noite desta terça-feira (15/3), em comunicado oficial divulgado pelo Kremlin, sede do governo russo, Putin reafirmou que não irá recuar.

Para ele, a Ucrânia não “demonstra atitude séria” nas negociações por uma solução para o conflito que já dura 20 dias.

O líder russo fez as declarações em conversa telefônica com o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, de acordo com comunicado divulgado pelo Kremlin.

Putin também alegou que os líderes da União Europeia ignoraram as “ações criminais e desumanas” de forças militares ucranianas em Donetsk, onde teriam realizada um ataque com mísseis a uma área residencial.

O presidente russo trata a guerra como uma “operação especial na Ucrânia”. “Kiev não demonstra uma atitude séria para encontrar soluções mutuamente aceitáveis”, afirma o Kremlin.

Apelo

Michel declarou que enfatizou a “urgente necessidade” de encerrar a guerra durante a conversa com Putin. “A União Europeia está unida na condenação da agressão da Rússia, respondendo com sanções poderosas e fornecendo mais apoio à Ucrânia”, defendeu.

O presidente do Conselheiro Europeu pediu que Moscou retire as tropas do país vizinho, em um cessar-fogo imediato, e que Putin pare o “bombardeio indiscriminado” de civis. “A Rússia deve permitir urgentemente o acesso humanitário e a passagem segura”, solicitou.

Negociação fracassa

Fracassou novamente uma tentativa de atingir a paz. A reunião entre representantes dos presidentes Vladimir Putin, da Rússia, e Volodymyr Zelensky, da Ucrânia, terminou sem consenso, e os bombardeios no Leste Europeu continuarão.

O porta-voz ucraniano, Mykhailo Podoliyak, confirmou que um novo encontro ocorrerá nesta quarta-feira (16/3) – será a sexta tentativa de acordo.

“Vamos continuar amanhã. Um processo de negociação muito difícil. Existem contradições fundamentais. Mas definitivamente há espaço para concessões. Durante o intervalo, o trabalho continuará em subgrupos”, informou.

A negociação do cessar-fogo foi retomada após o encontro de segunda-feira (14/3) acabar com uma “pausa técnica”. Um formalismo que significa falta de concordância político-diplomática.

Biden vai à Europa

O recrudescimento da guerra fez o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, mudar de ideia e viajar à Europa. O norte-americano participará de uma reunião emergencial da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), na próxima semana.

O presidente do Conselheiro Europeu pediu que Moscou retire as tropas do país vizinho, em um cessar-fogo imediato, e que Putin pare o “bombardeio indiscriminado” de civis. “A Rússia deve permitir urgentemente o acesso humanitário e a passagem segura”, solicitou.

Negociação fracassa

Fracassou novamente uma tentativa de atingir a paz. A reunião entre representantes dos presidentes Vladimir Putin, da Rússia, e Volodymyr Zelensky, da Ucrânia, terminou sem consenso, e os bombardeios no Leste Europeu continuarão.

O porta-voz ucraniano, Mykhailo Podoliyak, confirmou que um novo encontro ocorrerá nesta quarta-feira (16/3) – será a sexta tentativa de acordo.

“Vamos continuar amanhã. Um processo de negociação muito difícil. Existem contradições fundamentais. Mas definitivamente há espaço para concessões. Durante o intervalo, o trabalho continuará em subgrupos”, informou.

A negociação do cessar-fogo foi retomada após o encontro de segunda-feira (14/3) acabar com uma “pausa técnica”. Um formalismo que significa falta de concordância político-diplomática.

Biden vai à Europa

O recrudescimento da guerra fez o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, mudar de ideia e viajar à Europa. O norte-americano participará de uma reunião emergencial da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), na próxima semana.

Fonte: Metrópoles

Últimas notícias