Rússia é denunciada por uso de bombas de fragmentação na Ucrânia

Por Br Hoje
28 de fevereiro de 2022
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

A Anistia Internacional e a Human Rights Watch, organizações não-governamentais que atuam na defesa dos direitos humanos, denunciaram a Rússia nesta segunda-feira (28/2) pelo uso de bombas de fragmentação na Ucrânia, o que é considerado crime de guerra.

Ao ser disparada, esse tipo de bomba libera projéteis menores, o que expande a área de dano. Consequentemente, o risco de mortes também aumenta. Além disso, alguns dos projéteis menores não explodem no momento, o que pode fazer deles minas antipessoais.

Na ocasião denunciada, um dos ataques teria ocorrido em uma área escolar de Okhtyrka, no nordeste da Ucrânia, gerando ao menos três mortes, incluindo a de uma criança.

“O ataque parece ter sido lançado pelo Exército russo, que operava nas proximidades e que costuma usar bombas de fragmentação em zonas habitadas”, disse a secretária-geral da Anistia Internacional, Agnès Callamard.

Callamard ainda afirmou que “nada justifica o uso de bombas de fragmentação em zonas habitadas, muito menos perto de uma escola”.

A ONG afirmou basear sua acusação em vídeos gravados por drones, que mostram o impacto de bombas de fragmentação em, no mínimo, sete pontos. De acordo com uma fonte local, também há 65 fotografias e um vídeo complementar que provam a veracidade da denúncia.

As bombas de fragmentação são proibidas desde 2010 por uma convenção internacional, que não teve assinatura da Rússia e nem da Ucrânia.

Fonte: Metrópoles

Últimas notícias