Piauienses são resgatados de situação análoga à escravidão em fazenda de Mato Grosso do Sul

Por Br Hoje
7 de julho de 2022
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

Piauienses foram resgatados pelo Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso do Sul (MPT-MS) trabalhando em condições análogas à escravidão. Os trabalhadores recebiam R$ 0,70 por metro quadrado de cana plantada e ficavam em um espaço sem água potável.

O grupo de 43 canavieiros, como são conhecidos os trabalhadores, alegaram aos agentes da operação que não receberam qualquer equipamento obrigatório de segurança para atuar no plantio e que as luvas e facões que utilizavam foram levados por eles mesmos.

Em depoimento, um dos canavieiros contou ter recebido a proposta de trabalho por meio de um intermediador de mão de obra. Na ocasião, foi feita a promessa de receber R$ 1 real por metro quadrado de cana plantado, mais estadia, almoço e jantar. “Ao chegarem no local, a conversa mudou: a remuneração foi reduzida a parcos R$ 0,70 por metro plantado, a serem pagos a cada 15 dias”, informou o MPT.

As vítimas, entre elas nove mulheres, foram resgatadas da fazenda no dia 28 de junho, durante operação realizada por força-tarefa composta pela Fiscalização do Trabalho e pela Polícia Militar Ambiental. Os trabalhadores, além do Piauí, são dos estados de Minas Gerais e Maranhão.

Empresário fez acordo 

Representantes legais da propriedade onde os 43 trabalhadores foram resgatados firmaram acordo com o MPT-MS, e deverão cumprir uma série de obrigações, entre elas, garantir a remuneração pelos dias trabalhados, 13º e férias proporcionais, além de providenciar o retorno de cada um deles aos locais de origem.

Entre os compromissos assumidos pelos empregadores estão o pagamento das verbas rescisórias – valores relacionados à remuneração pelo plantio das mudas de cana-de-açúcar, férias e 13º proporcionais – que somam pouco mais de R$ 215 mil, e o devido registro previdenciário dos trabalhadores.

Denúncia 

Todo cidadão que presenciar pessoas atuando de formas que caracterizam o trabalho análogo ao de escravo (em condições degradantes de trabalho; sob jornadas exaustivas; trabalho forçado ou por servidão por dívida) pode denunciar ao MPT.

Basta acessar o site: https://www.prt22.mpt.mp.br/servicos/denuncias

Últimas notícias