Em Goiás, Bolsonaro lidera disputa no 1º e 2º turnos, mostra pesquisa

Por Br Hoje
18 de junho de 2022
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

O presidente Jair Bolsonaro lidera a disputa eleitoral em Goiás no primeiro e em um eventual segundo turno, de acordo com pesquisa realizada pela Paraná Pesquisas. Na pesquisa estimulada, em que são apresentados os nomes dos candidatos aos entrevistados, Bolsonaro teria 42,4% dos votos, contra 32,1% de Lula e 6% de Ciro Gomes.

Veja o resultado no cenário avaliado pelo instituto:

Jair Bolsonaro: 42,4%

Lula: 32,1%

Ciro Gomes: 6%

Simone Tebet: 1,6%

Pablo Marçal: 1,1%

Vera Lúcia: 1%

André Janones: 0,8%

Felipe D’Ávila: 0,4%

Luciano Bivar: 0,4%

Eymael: 0,3%

Não sabe/não respondeu: 5,4%

Nenhum/branco/nulo: 8,6%

A pesquisa entrevistou presencialmente 1.540 eleitores acima de 16 anos em 60 municípios do estado entre os dias 13 e 17 de junho. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais, para mais ou para menos, e a margem de confiança, de 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral sob o nº BR-09554/2022.

Em um eventual segundo turno com o candidato petista, Bolsonaro também venceria no estado, com 47,8% dos votos. Lula teria 38,5%. De acordo com o instituto, 3,6% não souberam ou não responderam, e nenhum/branco ou nulo foram 10,1% das respostas.

A Paraná Pesquisas também avaliou o potencial eleitoral dos três pré-candidatos mais bem avaliados no levantamento. Dos entrevistados, 36,1% disseram que votariam com certeza em Bolsonaro, 26,8% em Lula e 3,8% em Ciro.

Bolsonaro também aparece com menor rejeição no levantamento. Enquanto 46,8% disseram que não votariam nele de jeito nenhum, Lula teve 51,9% de rejeição, e Ciro, 53%.

A aprovação ao governo Bolsonaro também foi avaliada pelo instituto: para 41,5% dos entrevistados, o presidente faz uma administração ótima ou boa, e para 37,6%, ruim ou péssima. O presidente é aprovado por 50,9% dos eleitores do estado, e 44,4% o reprovam (os que não sabem/não opinaram foram 4,7% dos entrevistados).

 

Últimas notícias