Prefeitura anuncia piso de R$ 4,4 mil para professores da rede municipal

Por Br Hoje
11 de fevereiro de 2022
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

A Prefeitura de Teresina vai enviar na próxima segunda-feira (14) para a Câmara Municipal um projeto de lei que fixa o piso dos professores da rede municipal no valor de R$ 4,4 mil. Na data, uma coletiva de imprensa será convocada para fazer o anúncio oficialmente.

O objetivo do prefeito de Teresina, Dr. Pessoa (MDB), é o de pagar ao magistério um piso 13,5% maior do que o piso nacional instituído pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), que é de R$ 3.845,63 para professor da educação básica com jornada de 40 horas semanais.

Junto do novo piso, a administração municipal passará a pagar um auxílio alimentação de R$ 250.

Assim, somada à uma Gratificação de Incentivo à Docência (GID) de R$ 934, que já está incluída na remuneração da categoria, o valor que deve entrar mensalmente na conta dos professores municipais pode chegar a R$ 5.334.

Em entrevista na manhã desta sexta-feira, Dr. Pessoa pontou que a administração municipal está analisando um reajuste geral e também para outras categorias como a da saúde.

“Estamos trabalhando por classe, a educação, a saúde, e o geral. Daqui para a segunda-feira teremos prego batido e ponta virada”, frisou.

O secretário de Finanças e vice-prefeito, Robert Rios (PSB), disse que os estudos do projeto de reajuste foram concluídos nesta sexta-feira (11). Ele também pontuou, sem mencionar quais, que a administração deverá fazer um corte de gastos em áreas que não forem essenciais.

“O impacto da folha nós fizemos o estudo vamos suportar, não será fácil, vamos cortar gastos de outras áreas essenciais e os professores agora vão começar a entender a responsabilidade do Dr. Pessoa com eles”, explicou.

Professores questionam

Em greve desde a última segunda-feira, os professores da rede municipal realizaram uma assembleia na manhã de hoje para deliberar sobre os próximos passos do movimento.

Questionado se o projeto de piso de R$ 4,4 mil, anunciado por interlocutores da administração municipal, contempla a reivindicação da categoria, o coordenador geral do Sindicato dos Servidores Municipais (Sindserm), Sinésio Soares, disse se tratar de um “jogo de palavras”.

Ele cobrou que a Prefeitura de Teresina apresente o projeto para o sindicato e cobrou que o reajuste seja linear, ou seja, que contemple proporcionalmente todas as progressões.

“Isso é um jogo de palavras, quando você diz que tem um piso de R$ 4 mil, mas não diz onde vai aplicar o percentual. Normalmente, eles querem enganar a população, aplicam na classe C e tem que aplicar é na classe auxiliar, que são os que ganham menos e respeitar o escalonamento da tabela da lei municipal. Queremos ver o projeto e vamos ver se estão cumprindo a lei”, pontou.

Ainda durante a assembleia, que acontece em frente à Câmara Municipal de Teresina, a categoria decidiu pela continuidade da greve de professores da educação básica.

O Sindserm informou que pelo menos 2 mil profissionais aderiram à greve.

A categoria cobra o pagamento do reajuste de 33% no piso salarial do magistério, estabelecido pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), em portaria assinada por ele e o Ministro da Educação. Uma segunda cobrança dos servidores diz respeito ao pagamento de valores do rateio do  Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).

Segundo Sinésio Soares, o grupo quer uma audiência pública com vereadores e cobra que os parlamentares votem a favor apenas se o piso estabelecido pela Prefeitura de Teresina for superior ao piso nacional.

“Estão dizendo que estão estudando os números ainda e enviamos para os professores uma correspondência para que não votem nada fora da Lei, que respeitem a Lei 11.730 33, 33 de reajuste linear e também o rateio das sobras do Fundeb. Os vereadores responderam que pedimos muita coisa, pois pedimos uma Audiência Pública”, pontou.

 

Últimas notícias