Vereador do PT lidera invasão de igreja durante manifestação

Por Br Hoje
8 de fevereiro de 2022
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

Um grupo de manifestantes que se reuniu, no sábado (5), no Centro Histórico de Curitiba, invadiu e interrompeu a missa em uma igreja durante o ato, feito em protesto pelo assassinato do congolês Moïse Kabagambe no Rio de Janeiro.

A presença do grupo na Igreja Nossa Senhora do Rosário dos Pretos foi gravada, e o vídeo repercutiu nas redes sociais.

De acordo com o Padre Luiz Haas, ele celebrava a missa no momento em que os manifestantes invadiram a igreja.

Nesta segunda-feira (7), a Arquidiocese de Curitiba se manifestou sobre o caso, repudiou o acontecido e disse que na ação do grupo houve “agressividades e ofensas”. De acordo com a arquidiocese, a ação tratou-se de profanação injuriosa, e a “lei e a livre cidadania foram agredidas”.

O caso foi tema de debate na sessão da Câmara Municipal de Curitiba, na manhã desta segunda. O vereador Renato Freitas (PT), que estava participando da manifestação no fim de semana, foi criticado.

Renato argumentou que o protesto não atrapalhou nenhuma celebração religiosa dentro da igreja e que, segundo ele, a manifestação ocorrida foi motivada contra o racismo, a xenofobia e pela valorização da vida.

“As imagens mostram que a igreja estava absolutamente vazia. Já se passava das seis da tarde. Entramos e dissemos que nenhum preceito religioso supera a valorização da vida. Lá dentro, afirmamos isso e saímos ordeira e pacificamente, sem que ninguém tivesse se incomodado e eu desafio qualquer um a provar o contrário”, disse o vereador durante a sessão.

Ainda conforme o parlamentar, o local do ato foi escolhido pela relação histórica que possui com a população negra na cidade: “A Igreja, inaugurada em 1737, foi construída por e para pessoas escravizadas, uma vez que negros e negras não poderiam entrar em outras igrejas de nossa cidade”.

O ato, conforme informado por Renato, foi organizado pelo Coletivo Núcleo Periférico, com participação de representantes do movimento negro, movimento de mulheres e imigrantes que residem em Curitiba e relataram violências racistas.

Antes de Renato, na mesma sessão, o vereador Osias Moraes (Republicanos) disse que a ação do grupo de manifestantes perturbou a fé religiosa de pessoas que se preparavam para uma missa, “com um ato e cunho político”, o que classificou como crime.

“Nós não iremos aceitar esse tipo de ato, principalmente vindo de um vereador desta casa. Queremos providência e vamos tomar providência”, afirmou Moraes.

O presidente da câmara, vereador Tico Kuzma (Pros), falou sobre o assunto durante a sessão e afirmou que a Casa vai acompanhar os desdobramentos e investigar o ocorrido.

“Assim como apoiamos as manifestações pacíficas e nos solidarizamos com vítimas de preconceito e barbárie, apoiamos também a preservação das liberdades individuais e repudiamos violações às liberdades religiosas em locais de culto. Esta casa não se furtará em apurar quaisquer fatos, com a devida isenção”, afirmou.

Em nota, o PT no Paraná diz ter sido surpreendido pela repercussão do protesto teve e afirma não ter participado da “decisão momentânea” do grupo de manifestantes de entrar na igreja.

“Há manipulação de fatos para prejudicar o Partido dos Trabalhadores, pois os vídeos evidenciam que no momento em que os manifestantes estiveram no interior da paróquia, a missa já havia terminado e o templo estava vazio”, afirma a legenda.

O partido reiterou também seu compromisso com o direito à vida e contra qualquer forma de discriminação. “Em tempo, gostaríamos de relembrar que o PT é defensor histórico da liberdade religiosa”.

Celebração

O padre Luiz Haas, de 74 anos, disse que celebrava uma missa no momento em que o grupo invadiu o local e que teve que encerrar a celebração.

“Uma situação insuportável, barulho muito grande, pedimos que abaixassem o som lá fora, saíssem da escadaria. Mas começaram a dizer que era igreja dos negros. Suspendi a missa, porque não tinha como, não era horário para fazer o protesto”, afirmou o padre.

De acordo com o sacerdote, os manifestantes ficaram por cerca de 20 minutos na igreja, com muitos gritos, mas não danificaram nada.

Fonte: G1

Últimas notícias