Câmara aprova fim da autorização do marido para laqueadura

Por Br Hoje
10 de março de 2022
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Share on email
Share on linkedin
Share on reddit

Na data em que se celebra o Dia Internacional Mundial da Mulher, na terça-feira (8), a Câmara dos Deputados aprovou, em votação simbólica, o projeto de lei que dá autonomia à mulher para decidir, independentemente de autorização do marido, submeter-se ou não a um procedimento de laqueadura. O texto segue para análise no Senado.

A atual legislação determina a necessidade de consentimento expresso do cônjuge para a autorização de esterilizações. A regra também vale para homens que desejam realizar uma vasectomia. Relatora do projeto, a deputada Soraya Santos (PL-RJ) ressaltou que a lei “não pode surgir para tutelar e decidir por nós”.

O texto ainda prevê a possibilidade de que a cirurgia de laqueadura seja realizada durante o parto, desde que o pedido seja feito com, pelo menos, dois meses antes do nascimento da criança e com aval médico.

Outra mudança é a idade mínima para se submeter ao procedimento. Se virar lei, mulheres e homens a partir de 21 anos podem realizar a esterilização voluntária e não mais a partir dos 25 anos. No caso de quem tem pelo menos dois filhos vivos, não há idade mínima para a cirurgia nem na atual legislação, nem nos termos da proposta.

Quanto à previsão de fornecimento de métodos contraceptivos, o projeto estabelece o prazo máximo de 30 dias para que os serviços de saúde atuem. “Temos a certeza de que é possível a organização nesse sentido”, defendeu Soraya, justificando que a limitação do tempo é necessária no atual contexto. Ela citou a inserção do DIU (dispositivo intrauterino), argumentando que há marcante dificuldade para o fornecimento do dispositivo e realização do procedimento.

As regras se aplicam tanto ao SUS (Sistema Único de Saúde), quanto à rede privada. Se aprovadas no Senado e sancionadas, as novas regras entram em vigor em 180 dias após a publicação da lei.

Fonte: R7

Últimas notícias